Você deveria dar mais atenção à sua alimentação

Não existe uma “receita” da longevidade, mas a maneira como você se alimenta irá influenciar significativamente o seu envelhecimento

por Alexandre Kalache



Cada vez mais pessoas querem saber o que podem comer, ou evitar, para viver mais e melhor. Quem não sonha com uma receita, ou uma lista de alimentos, que previna ou resolva os principais problemas de saúde e nos faça viver até os 100 anos com qualidade de vida? ....de preferência a baixo custo!

 

Embora haja inúmeros relatos de pessoas longevas revelando “seus segredos de longevidade” (tipo um ovo cru ao acordar seguido de um cálice de conhaque...) e vários “superalimentos” que entram e saem de moda, não há nenhuma fórmula mágica e nenhum desses “segredos” foi cientificamente comprovado.

 

Mas talvez haja um “conselho” prático a ser seguido: de regra, quanto mais diversificado e colorido for seu prato, mais saudável. A população brasileira tem uma preferência pela dieta branca – nada saudável. É muita farinha, açúcar, sal, gorduras, arroz branquinho e soltinho e muito poucas frutas, legumes e verduras. Eu mesmo conheço muita gente que não pode ver nada verde no prato.... o catam rapidinho e colocam na beira do prato como algo repugnante. Coloque mais vermelhos, roxos, graus variados da cor laranja, negro, marrom e verdes, muitos verdes... você sairá ganhando.

 

O que é uma alimentação saudável?

 

Quando falamos sobre alimentação saudável, esqueça as "dietas da moda". Estamos falando sobre uma dieta equilibrada, que prioriza alimentos naturais, preservados.

 

Não cabe a mim dizer o que se deve ou não deve incluir na alimentação. Para isso, sempre que possível, consulte um ou uma nutricionista. Há, porém, orientações práticas, publicadas pelo Ministério da Saúde no Guia Alimentar para a População Brasileira, que eu aqui compartilho com pequenas alterações.

 

 

Várias sociedades científicas e a própria Organização Mundial da Saúde recomendam observar as pirâmides nutricionais como uma referência que oriente as pessoas na busca de uma dieta equilibrada.

 

Fatores comportamentais

 

O nosso comportamento tem um impacto direto e significativo no envelhecimento ativo. Quatro fatores de risco ligados a estilos de vida têm relação causal com as principais doenças crônicas: maus hábitos alimentares, tabagismo, sedentarismo e consumo de drogas, inclusive o álcool. Além disso, sono saudável, sexo seguro e o autocuidado também influenciam o envelhecimento.

 

Além dos determinantes comportamentais, outros tantos fatores contribuem para o tipo de qualidade de vida que teremos lá na frente: pessoais, sociais, econômicos, ambiente físico e o acesso ou não a serviços sociais e de saúde. Falaremos com calma sobre eles nos próximos meses.

 

Alguns desses fatores estão fora do nosso controle individual. Por exemplo, os fatores genéticos: responsáveis por cerca de 25% da variabilidade da mortalidade. Mas, não temos nenhum controle retroativo de “escolhermos bem nossos pais”. No entanto, temos como influenciar e alterar os outros 75% que aumentam ou diminuem nossa chance de sermos longevos – ativos e saudáveis!



Nosso comportamento tem um impacto direto e significativo no envelhecimento ativo

Ainda assim há muita coisa que não depende apenas de nossas escolhas e comportamento, como o acesso a serviços de saúde, ao saneamento básico e a vivermos em ambientes pouco poluídos. Creio que, em relação a fatores como esses, seja preciso demandá-los, exigir nossos direitos por um envelhecimento saudável ao longo de toda a vida e que as oportunidades estejam disponíveis para todos. Creio também que há muito que só se consegue coletivamente através de políticas públicas que facilitem e abram oportunidades para todos. Quantas vezes eu vejo profissionais da saúde culpabilizando um indivíduo que sofre de hipertensão, diabetes, obesidade, que é sedentário... sem se perguntar se ele teve oportunidades de fazer escolhas mais saudáveis ao longo da vida: escolhas que deveriam ser sempre as mais acessíveis, viáveis e sustentáveis. Com frequência, não o são.

1 Perguntas:

Pergunta enviada
para aprovação

Perguntas recentes:

Alice M. S. Bittencourt

14 de junho de 2018

E com relação à quantidade de remédios , de vitaminas e suplementos ??? Cada médico indica um e a lista vai crescendo ! Que tal o Brain Health , por exemplo? Agradecida 21-99333-6666

Alexandre Kalache

17 de agosto de 2018

Prezada Alice,

Agradecemos pelo seu comentário. Nosso portal tem o intuito de fornecer conhecimento sobre assuntos relacionados à longevidade. Embora esta matéria e outros conteúdos tenham o objetivo de estimular uma reflexão sobre os próprios hábitos, não temos como dar orientações individuais. Recomendamos que busque um profissional qualificado para tirar dúvidas muito específicas que demandem uma avaliação mais ampla e particular.

Att,

Alexandre Kalache


Compartilhe: