6 dicas para correr com o seu cachorro

Não basta passar a coleira no animal e sair correndo por aí

31/12/2018



Já que você vai sair para correr, por que não resolver duas tarefas ao mesmo tempo e levar seu cachorro para se mexer também? "Como os humanos, eles precisam se exercitar diariamente. Além de ambos ficarem mais saudáveis, correr juntos estreita os laços", afirma a especialista em pets Erin Askeland ao Greatist (conteúdo em inglês).

 

Mas, para dar certo, não basta passar a coleira no animal e sair correndo. Existem alguns cuidados necessários para não machucar o seu pet e para que ele aproveite bem essa experiência -- confira, a seguir, quais são eles.

 

 

Consulte o veterinário

Nem todos os cães podem sair correndo por aí. A maioria até consegue correr pequenas distâncias quando estão brincando, mas algumas raças -- como pugs, buldogues e outras de focinho achatado -- não têm físico para aguentar o exercício, assim como raças grandes e cães com sobrepeso. O mesmo acontece com os que podem ter problemas de coluna (como o daschund) ou no quadril (como o pastor alemão). Por isso é bom conversar com o veterinário antes de começar a correr com seu cão.

 

Comece devagar

Se o cão for liberado para correr, comece com uma combinação de corrida e caminhada e vá percebendo se o animal está ganhando resistência. Uma dica é fazer um aquecimento de cinco minutos, correr no máximo por 20 minutos e depois desacelerar por 5 minutos. Como os cães podem ter fraturas por estresse e problemas com o calor, fique de olho em como ele está se sentindo. "Cães gostam de agradar, e se você quiser continuar correndo ele vai acompanhar mesmo se estiver com dor", diz Askeland.

 

Cheque a previsão do tempo

O organismo de um cachorro pode superaquecer rapidamente, então não é bom correr no calor ou em dias úmidos. O ideal é se exercitar de manhã bem cedo ou à noite. Antes de sair, faça mais um teste: o da temperatura do asfalto, para não queimar as patas de seu pet.

 

Proteja as patas

O concreto e o asfalto não só podem queimar as patas do cão mas também estressar as juntas e irritar as almofadinhas. Já o cascalho pode perfurar as patas. O melhor é correr na terra, na grama ou na areia e, de vez em quando, parar para checar se não há cortes ou queimaduras na pata.

 

Observe o cão

Se ele estiver ficando para trás, procurando sombra ou dando sinais de que quer parar, é hora de descansar. Confira também se o cão está respirando pesadamente ou se parece desorientado -- se esse for o caso, procure atendimento veterinário imediatamente. Se ele estiver muito rígido ou cansado no dia seguinte, o exercício pode ter ido longe demais.

 

Ofereça bastante água

Antes de sair, deixe o cão beber uma ou duas tigelas de água e, se for correr uma longa distância, não se esqueça de levar água para ele também.


Compartilhe:

0 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação