Como o tai chi chuan nos deixa mais fortes

Além de reforçar os músculos, esse exercício previne a perda de massa óssea com a idade

11/09/2018



Quem observa um grupo de pessoas praticando o tai chi chuan (muitas vezes chamado de meditação em movimento) nem imagina que seus movimentos lentos, suaves e coreografados podem, na verdade, aumentar a nossa força física.

 

Mas algumas pesquisas têm mostrado que essa prática pode ser uma boa alternativa de exercício de força para quem não gosta de musculação aponta um artigo do The New York Times (conteúdo aqui, em inglês).

 

 

Apesar de ser uma arte marcial, o tai chi chuan é uma atividade de baixo impacto, baseada em movimentos simples e suaves, por isso pode ser praticado em qualquer idade --e até mesmo por quem está sedentário. Como não estressa juntas e músculos, tem baixo risco de levar a dores ou lesões.

 

Além de fortalecer a musculatura, o tai chi chuan reforça os ossos. Um estudo feito em Hong Kong com 132 mulheres na pós-menopausa mostrou que aquelas que praticavam tai chi chuan tiveram uma redução significativa de perda de massa óssea e menos fraturas do que as que se mantiveram sedentárias.

 

Para quem tem dores musculares e nas juntas, o tai chi é uma boa estratégia para reforçar a musculatura e voltar a se movimentar, algo essencial para não deixar os músculos e as juntas. Seus movimentos minimizam o estresse em áreas doloridas e melhorar a circulação, o que por sua vez favorece o alívio e a cura. Pela mesma razão, é uma atividade indicada para quem está sedentário e quer ganhar força para fazer atividades físicas mais pesadas.

 

Além disso, o tai chi pode ajudar a reduzir o risco de quedas em idosos por fortalecer os membros inferiores, melhorar a postura, aumentar a flexibilidade e ampliar a consciência corporal, o que ajuda a caminhar desviando de obstáculos.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

Armandino Reis

06 de dezembro de 2018

E muito bom tai chi chuan faz nos sentir muito be mmm!