Dicas de campeões para correr bem — faça chuva ou faça sol

Robson Caetano e Leandro Prates explicam como preparar o corpo para fazer uma boa prova em qualquer clima

21/05/2019



É difícil parar quem toma gosto pela corrida. Depois de participar da primeira prova, bate aquela vontade de fazer todas as que estão no calendário, para melhorar o tempo ou mesmo para se desafiar a correr sob quaisquer condições — faça chuva ou faça sol.

 

Quem vai encarar a etapa de Brasília do Circuito da Longevidade, por exemplo, vai ter que superar o desgaste causado pelo tempo seco — o mais desafiador de todos, conforme alerta o medalhista olímpico e colunista do Viva a Longevidade, Robson Caetano. “O tempo seco desgasta mais a musculatura. A tendência do corredor é sentir câimbras por causa do esforço”, explica.

 

Leandro Prates (imagem abaixo), tricampeão brasileiro e campeão pan-americano dos 1.500 m, concorda. “O cuidado tem que ser redobrado. É muito difícil correr com clima seco, pois ele resseca muito o corpo e afeta os músculos”, diz.

 

 

A hidratação, aliás, é crítica em qualquer temperatura. Por isso, não dá para descuidar dela, nem mesmo no tempo mais úmido, como provavelmente será na etapa de Salvador do Circuito da Longevidade. O motivo? Evitar câimbras e não ficar com o corpo dolorido no dia seguinte. “A água que está na pele não nos hidrata. A gente precisa ingerir o líquido, que daí vai para os músculos”, explica Robson.

 

A preparação correta ajuda a evitar as lesões mais típicas das estações: o estiramento no calor (quando o músculo se desgasta mais) e a contratura no frio (porque o músculo contrai e tem dificuldade de relaxar). A hidratação previne o estiramento, enquanto um aquecimento mais caprichado afasta as chances de ter uma contratura.

 

Nos dois casos, alongar de leve é uma boa maneira de acordar os músculos e evitar microlesões que podem prejudicar o corpo em longo prazo. Relaxar também é fundamental. “Se você corre depois do trabalho, por exemplo, fique uma hora com as pernas para cima, para compensar tantas horas na cadeira ou de pé”, sugere Robson.

 

Correr no frio e na chuva também requer atenção e cuidado, especialmente com o aquecimento e com a umidade. “Chuva com frio é terrível, especialmente para quem tem pouca gordura corporal”, diz Leandro. “Tem que aquecer mais. Nesse caso, eu faço 20 minutos de aquecimento, se não a chance de ter uma lesão é maior.”

 

Essas são algumas das dicas que esses dois grandes campeões revelaram ao Viva a Longevidade, para correr bem em qualquer clima: no calor, no frio, no tempo seco e na chuva. “A gente quer estar sempre preparado. Cada medalha é inesquecível”, diz Prates. Veja, a seguir, o que mais eles recomendam.

 

NO CLIMA PARA CORRER

Como se preparar para provas em diferentes condições climáticas

 

 

Evite consumir álcool no dia anterior à prova, para não desidratar o corpo.

 

Antes da largada, tome pequenos goles de água, para ter uma boa hidratação e evitar o desconforto da “barriga de água”.

 

Use manteiga de cacau para proteger os lábios do clima seco.

 

Hidrate as narinas com soro fisiológico ou gelo, antes de correr.

 

Durante a prova, tente fazer uma respiração mais pausada.

 

Não descuide dos carboidratos, que serão essenciais para recuperar a musculatura.

 

 

Treine nos horários mais frescos do dia, para não desgastar tanto os músculos.

 

Antes da prova, não exagere no aquecimento, para não desidratar.

 

Prefira as roupas claras e de cores alegres, que reflitam — e não que absorvam — a luz do sol.

 

Capriche na meia: o suor excessivo dos pés pode causar bolhas rapidamente.

 

Nos dias de sol, não se esqueça de passar um protetor solar resistente ao suor – de preferência com FPS 50.

 

Óculos de sol com FPS e bonés são boas pedidas para se proteger do sol.

 

 

Passar um pouco de pomada antisséptica (tipo Minâncora) entre os dedos ajuda a prevenir o desenvolvimento de fungos, que aparecem com a umidade e o calor.

 

Ajuste bem o tênis no pé: se ele estiver muito folgado, a umidade vai aumentar as chances de ter bolhas.

 

Use um tênis com solado antiderrapante, que tenha boa aderência ao piso do local da prova.

 

Se estiver frio, capriche no aquecimento, para largar bem e evitar contraturas.

 

Não descuide da hidratação, pois a falta de água pode causar câimbras durante a prova.

 

Depois do treino ou da prova, tire imediatamente o calçado e as meias, seque os pés e vista uma meia seca, para evitar fungos.

 

Assim que chegar, troque a roupa molhada, pois o estresse causado pela corrida abala o sistema imunológico e pode facilitar um resfriado.

 

 

Capriche no aquecimento, para não ter lesões: o ideal é se aquecer por mais tempo que de costume. Se você leva 10 segundos para fazer um movimento, faça em 15 segundos, contando mais lentamente na hora de voltar.

 

Faça um bom alongamento, para ajudar a despertar a musculatura e evitar lesões.

 

Agasalhe-se bem, com roupas térmicas, se necessário. Isso ajuda a manter a musculatura aquecida e a prevenir as contraturas.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

Laurides

15 de junho de 2019

Sou corredora de rua e adorei as dicas eu aprendi várias orientação abraço obrigada