Exercício reduz predisposição genética para obesidade na menopausa

Fazer uma atividade física também ajuda a prevenir a perda de massa muscular

17/07/2018



A tendência genética a ganhar peso após a menopausa pode ser revertida com exercícios físicos. Essa é a boa notícia que traz um estudo divulgado pela Sociedade Norte-Americana de Menopausa. O trabalho mostra que manter uma vida ativa ajuda a combater o ganho de peso mesmo entre mulheres que têm predisposição genética para a obesidade, informa o Science Daily (conteúdo, em inglês).

 

Até então, as pesquisas sobre o tema indicavam que a influência da genética no índice de massa corporal aumentava entre a infância e a fase adulta, com pouca informação sobre o que acontecia conforme a idade ia avançando.

 

 

Agora, pesquisadores analisaram dados de 8.206 mulheres para avaliar a interação entre atividade física e obesidade e descobriram que a atividade física é capaz de reduzir a predisposição genética para a obesidade, especialmente no grupo de mulheres com mais de 70 anos.

 

“O estudo sugere que nessa idade podemos superar nossa tendência para a obesidade. A mensagem que ele passa é a de que o seu risco genético para a obesidade não é inteiramente determinante. As escolhas que fazemos na vida têm um grande papel em nossa saúde”, afirma Heather Ochs-Balcom, autora principal do estudo.

 

A pesquisa, publicada no periódico especializado Menopausa, também revela que a associação genética com o Índice de Massa Corporal foi mais forte em mulheres sedentárias após a menopausa e mais fraca em mulheres que reportaram um alto nível de atividades físicas recreacionais. “Para as mais velhas, o exercício é importante por prevenir a perda de massa muscular, que ajuda a reduzir o risco de quedas”, completa Heather.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

Carla Parizon

19 de julho de 2018

me interesso muito sobre este tema , sou educadora fisica e com ênfase no treinamento e menopausa!