Você vai viver 30 anos mais que seus avós – está preparado?

O aumento da expectativa de vida é um fato. Para envelhecer bem, é preciso ter estratégias, preparo, resistência e superação.

por Alexandre Kalache



Vivemos a revolução da longevidade. A expectativa de vida ao nascer no Brasil era de 48 anos em 1950. Hoje, supera 75 e ultrapassará 80 antes de 2050. Já são mais de 20 os países que alcançaram este patamar. A vida deixou de ser uma corrida de cem metros para se transformar em uma maratona. Para chegar bem ao final, é preciso ter estratégias, preparo, resistência e superação. Tudo isso contribui para termos mais resiliência – dispormos de reservas para reagir positivamente aos desafios impostos pela vida, adaptando-nos a eles e, no processo, tirando lições.

É preciso também ter uma atitude positiva – afinal, pense na única alternativa ao envelhecimento e decida qual você prefere? Mas não basta a atitude positiva: é necessário agir, investir na qualidade de nossas vidas mais longas, acumulando quatro capitais:

 

  • Capital da saúde: valor universal,  – envelhecer com boa saúde, em grande parte, depende de nós.
  • Capital de conhecimentos: aprender, sempre, ao longo da vida.
  • Capital social, de relacionamentos: chega uma hora em que podemos precisar de quem nos cuide.
  • Capital financeiro: dinheiro não é tudo, mas, claro, facilita.

 

Com a Revolução da Longevidade torna-se indispensável adotar uma perspectiva de curso de vida: quanto mais cedo nos prepararmos para bem envelhecer, melhor – porém nunca é tarde demais.

 

Disso tratará esta plataforma. Ela será orientada pelos princípios enunciados no Marco Político do Envelhecimento Ativo, lançado pela Organização Mundial da Saúde em 2002. Esse documento revolucionou a forma como a longevidade é conceituada, apontando práticas individuais e de intervenções públicas. Nele, o envelhecimento ativo foi definido como o “processo de otimizar oportunidades para saúde, participação e proteção/segurança de modo a aumentar a qualidade de vida a medida em que envelhecemos”. Um quarto pilar foi acrescentado em revisão feita pelo Centro Internacional da Longevidade (ILC-Brasil) em 2015: o da aprendizagem continuada. Com saúde e conhecimentos, aumentamos a possibilidade de participar plenamente da sociedade seja qual for nossa idade. Mas precisamos também garantir aos que não envelhecem bem a segurança de que serão amparados.

 

Nossa plataforma estará particularmente voltada para os mais jovens, dando-lhes informações seguras e atualizadas, embasadas em evidências. No entanto, a plataforma será também de relevância aos demais adultos – os com mais de 50, 60 ou 70 anos que continuam querendo ampliar as oportunidades de envelhecer ativamente.

 

A plataforma abordará temas os mais variados – desde estilos de vida mais saudáveis que aumentam nossa resiliência e nosso bem-estar, à importância de cuidar-nos e cuidar dos outros, da solidariedade entre gerações, da previdência pública e privada, passando por histórias de vida inspiradoras e o impacto da longevidade em todas as etapas de vida e em todos os aspectos da sociedade em que vivemos.

 

Acompanhe-nos. Será instrutivo – e divertido.

 

Imagem e Texto

Alexandre Kalache é presidente do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-Brasil, da sigla em inglês para International Longevity Centre) e da Aliança Global de ILCs. É doutor em Saúde Pública pela Universidade de Oxford, membro do World Economic Forum e embaixador global da organização HelpAge International. Kalache foi, ainda, diretor do programa de envelhecimento e saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS) entre 1995 e 2007 e é consultor para a longevidade da Bradesco Seguros desde 2008.

11 Perguntas:

Pergunta enviada
para aprovação

Perguntas recentes:

Raymundo de Lima

19 de junho de 2018

Dr. Kalache. Estou como coordenador pedagógico da Unati, da Univ.Estadual de Mariná, ministro um curso sobre Relacionamentos Humanos na Contemporaneidade, e coordeno uma Roda de Conversa com idosos. Estou procurando textos, ensaios ou artigos sobre relacionamentos na 3a.idade. Você tem um texto nessa linha de reflexão ou pesquisa? abração.

Alexandre Kalache

05 de novembro de 2020

Prezado Raymundo,

Agradeço pelo seu comentário. Nosso portal tem o intuito de fornecer conhecimento sobre assuntos relacionados à longevidade e vamos abordar vários temos no decorrer do tempo. O relatório "Envelhecimento Ativo" do ILC-BR é uma possível fonte para obter acesso a pesquisas sobre temáticas mais específicas. Ademas, recomendamos fontes científicas como, por exemplo, a Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a Revista Aptare ou o próprio site da Sociedade Brasileira de Gerontologia e Geriatria.

Att,

Alexandre Kalache


Compartilhe: