10 atividades que você faz calçado, mas poderia fazer descalço

Fazer exercícios, dançar, passear com o cachorro... você pode (e deve) fazer mais coisas com o pé no chão. Sua postura e equilíbrio vão agradecer

05/03/2018



Olhe para os seus pés agora. Você consegue senti-los?

 

É muito provável que eles estejam dentro de algum sapato, tênis ou sandália que evitam o contato direto com o chão. Que tal dar uma liberdade para essa sua dupla sentir aquilo que está tocando? Ou fazer com que essa estrutura de ossos, músculos, ligamentos e terminações nervosas nos ajude a controlar a postura, equilíbrio e movimento?

 

A rigor, você pode fazer descalço praticamente tudo que faria usando calçados. Dúvida? Com a ajuda do fisioterapeuta bioantropológico Pablo Santurbano, elaboramos esta listinha com 10 coisas que você faz calçado, mas que poderia (ou deveria) fazer também com os pés no chão.

 

Então, vamos lá, deixe a vergonha e o tênis de lado e veja como você pode reconectar seu pé com a realidade.

 

Andar por diferentes terrenos

 Andar por diferentes terrenos

 

“Se você nunca pisa no chão descalço, o pé desenvolve hipersensibilidade”, explica Pablo. Comece experimentando texturas: tapete fofinho, piso de madeira e piso frio são mais amigáveis, assim como grama. Areia e cascalho são mais intensos. “Você pode fazer tudo descalço, depende da sua capacidade e da sua pele de tolerar terrenos diferentes”, diz o fisioterapeuta. É como se você tivesse usado luvas a vida toda e de repente tirasse: o mundo vai ganhar novas texturas e prová-las vai estimular seu cérebro.

Piquenique no parque

Piquenique no parque

 

Se você tem receio de ser o “diferentão” que fica descalço, crie oportunidades de fazer isso com seus amigos. Quando fizer um almoço em casa, monte uma sapateira na porta de entrada para as pessoas deixarem os calçados quando entrarem. Ou marque um piquenique num parque, situação em que é natural e fácil de ficar descalço – o slackline e outras brincadeiras ao ar livre ficam bem mais fácil sem sapatos!

Sua rotina de exercícios

Sua rotina de exercícios

 

“Algumas academias têm permitido treinar descalço, principalmente nos lugares que trabalham com treino funcional. É uma mudança inacreditável”, afirma Pablo. Na medida em que o calçado restringe parcialmente os movimentos, treinar de pés livres aumenta a mobilidade e o fortalecimento. “Faça isso com acompanhamento, se possível, e muita atenção, principalmente se estiver trabalhando com peso, e na esteira, porque ela tem atrito”, diz o fisioterapeuta. No longo prazo, o atrito da esteira pode machucar, assim como o asfalto.

Tarefas domésticas

Tarefas domésticas

 

Perca os preconceitos. “Tem pessoas que não colocam o pé no chão por uma questão cultural, associando a ter uma ideia de que o chão é sujo ou de que pisar no chão é coisa de quem não pode comprar um calçado”, conta o fisioterapeuta. Mas estudos já demonstraram que em países como Índia e China, o hábito de pisar no chão molda os músculos do pé de uma maneira totalmente diferente. “Quanto menos você usa o pé e quanto mais restrito é esse uso, mais o pé tende à atrofia.” Portanto, em casa, vale tudo: cozinhar, lavar e pendurar roupa, lavar louça, tudo descalço.

Correr na praia

Correr na praia

 

“A praia é o lugar mais seguro para andar descalço. Inclusive mais do que a grama, porque você vê o que está embaixo do seu pé”, acredita Pablo. Deixe o chinelo ou o tênis de lado para você caminhar ou fazer uma corridinha. A areia é excelente para o fortalecimento tanto da musculatura dos pés quanto das pernas. Então, fique ligado em seu nível de cansaço, porque as atividades serão tão prazerosas quanto exigentes.

Brincar com as crianças

Brincar com as crianças

 

Se para um adulto já é ótimo usar integralmente a estrutura locomotora, para uma criança em formação, o pé descalço é perfeito. “A criança deve passar o máximo de tempo possível descalça, dentro das condições possíveis”, diz Pablo. Ele cita estudos longitudinais que acompanharam o desenvolvimento infantil por anos de crianças que usavam sapatos constantemente e de crianças que podiam passar mais tempo descalças e o arco plantar dos pequenos de pé no chão se desenvolveu melhor.

Andar na grama

Andar na grama

 

Se andar sem sapatos por aí ainda parece uma prática misteriosa, os parques da sua cidade podem ser um excelente e despretensioso começo. Meditar, relaxar na grama ou alongar depois da caminhada com alguns minutos de pé no chão são uma forma de se adaptar, e por que não experimentar alguns minutos de caminhada?

Cuidar das plantas

Cuidar das plantas

 

Vale para os vasos da varanda ou o jardim que precisa de cuidados. “Além dos pés descalços, é uma atividade que favorece a prática de outros movimentos naturais importantes, como agachar e ficar de cócoras”, diz Pablo. Para quem tem horta ou jardim, ele dá a dica de ficar atento a formigueiros e espinhos.

Passear com o cachorro

Passear com o cachorro

 

Se seu amigo de patas pode passear descalço, por que você não poderia? Os cuidados recomendados para animais de estimação são semelhantes ao que precisamos ter conosco: evitar terrenos com cacos e materiais pontiagudos ou não sair nos horários de sol mais forte, principalmente em terrenos que esquentam muito, como o asfalto. Se andar na calçada é intimidante, escolha parques que permitem animais.

Dançar

Dançar

 

Sabe aquela hora em que você coloca seu som preferido e relaxa dançando na sala? Faça isso descalço e multiplique por dois o sentimento de liberdade. “Ou por que não naquela festa de casamento em que você foi com um sapato desconfortável?”, lembra Pablo. O lugar não importa: dançar descalço é trocar o calçado por asas nos calcanhares.

Importante

 

Algumas pessoas podem ter condições que intimidem a experimentar a prática – como joanete, fascite plantar ou esporão de calcâneo. “Tudo isso pode fazer a exposição ao gesto de andar descalço causar dor. Mas, qualquer pessoa pode fazer, não existe contraindicação absoluta”, explica o fisioterapeuta.


Compartilhe:

0 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação