5 lições de vida de quem já passou dos 80

Quem disse que ultrapassar oito décadas de vida significa entrar em uma fase de declínio e perda?

23/03/2018



Quando você pensa na sua velhice, a imagem que vem à cabeça é de uma série de problemas e de doenças ou uma vida feliz? Quando o jornalista do The New York Times John Leland se fez essa pergunta, ao preparar um livro sobre os mais velhos, ele foi pessimista e só pensou em assuntos como os perigos das quedas, a pressão financeira e os conflitos de família.

 

Mas, ao entrevistar pessoas com mais de 85 anos ele descobriu que nenhum deles se definia por isso. "Eu achava que envelhecer era só declínio e perda. Quando eu olho para o futuro, por que não ver a vida em termos de ganhos?", disse ele ao Nextavenue (conteúdo em inglês).

 

 

 

 

A terceira idade pode ser muito diferente de como a imaginamos, e é isso que o jornalista conta em seu livro “Happiness Is a Choice You Make: Lessons From a Year Among the Oldest Old” ("Felicidade é uma escolha que você faz: lições de um ano entre os mais velhos", em tradução livre). Descubra a seguir as lições que Leland aprendeu ao conviver com os veteranos que entrevistou.

 

Não deixe a idade te definir

 

No livro, Leland conversa com diversas pessoas, como Ping Wong, 89 anos, que tentava se manter otimista após a perda do marido e do único filho; Jonas Mekas, 92, que tinha muitos projetos para completar; e Helen Moses, 90, que encontrou um amor na casa de repouso em que vive. "A idade avançada não é uma coisa que um dia os atingiu quando eles não estavam tomando cuidado, nem um problema da vida. É um estágio como qualquer outro", escreveu Leland.

 

Continue traçando objetivos

 

Assim como o cineasta Mekas queria continuar com seus projetos, outros entrevistados pelo jornalista também continuavam traçando objetivos pessoais de vida, como viver até os 110 ou descobrir coisas que trazem felicidade ao dia a dia. "Kickboxing pode estar fora dos planos, mas pintar, passar tempo com a família, ser um ativista ou passar sua expertise para a próxima geração são boas razões para viver, em qualquer idade", diz Leland em seu livro.

 

Foque no possível

 

Segundo Leland, quem passa dos 80 não fica tentando fazer um pouco de tudo – os veteranos focam seu interesse naquilo que traz mais satisfação. "Se eles têm 70% de suas capacidades, colocam essa energia naquilo que podem fazer, em vez de gastar com o que não podem", explica.

 

Adapte-se às circunstâncias

 

Depois dos 80 anos, a mãe de Leland preferiu usar uma cadeira de rodas para se movimentar, e o filho se preocupou com isso, pois achou que sua vida ficaria limitada. Nada disso: ela descobriu novas opções para visitar museus e ir a peças de teatro. "Nossa relação mudou para uma via de mão dupla, onde um fazia coisas para o outro", diz Leland.

 

Abrace seu novo papel na vida

 

Uma das entrevistadas, Ruth Willig, 91, só descobriu com a idade um novo papel na família: o de prover apoio emocional a sua família, por ser a matriarca – a vida toda, ela havia sido a mais nova de quatro filhos.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

GILCELIA C. SANTOS

11 de julho de 2018

QUANDO CHEGAR AOS 80, QUERO ESTÁ COM MUITA SAÚDE E SER MAIS FELIZ EM TUDO, VIAJAR MUITO.