Como o “sentir-se velho” impacta a vida sexual das pessoas?

Como o “sentir-se velho” impacta a vida sexual das pessoas?

Estudo mostra que estereótipos e idade subjetiva também afetam o interesse e a satisfação do sexo nos adultos mais velhos

18/10/2017



Entender o efeito do envelhecimento na qualidade da vida sexual das pessoas mais velhas vai além do fator biológico. A visão estereotipada sobre o ato de envelhecer e a idade subjetiva (a idade que a pessoa sente ter) podem ser determinantes para a experiência do sexo na vida de quem tem mais de 40 anos.

 

É o que sugere um estudo publicado no Journal of Sex Research (conteúdo em inglês) e comentado em artigo publicado no Instituto Kinsey (conteúdo em inglês) pelo doutor em psicologia social Justin Lehmiller.

 

“A idade subjetiva e a maneira como as pessoas encaram o envelhecimento não têm relação com a frequência sexual”, explica Lehmiller. “Entretanto, sentir-se velho gerou menos interesse pelo sexo ao longo do tempo (da pesquisa), assim como menores níveis de satisfação sexual. Além disso, a visão positiva em relação a adultos mais velhos esteve ligada à manutenção de altos níveis de satisfação sexual no futuro”, afirmou o psicólogo em seu artigo.

 

Os resultados do estudo, reforça Lehmiller, são importantes porque mostram que, para entender a sexualidade na parcela mais velha da população, é preciso ir além das alterações biológicas do corpo. É preciso, também, considerar fatores psicológicos. “O estudo dá força à ideia de que o cérebro é realmente o principal órgão sexual. Não importa em que estágio da vida você esteja, a maneira como você se vê pode moldar a sua experiência sexual”, conclui.

 

O estudo

 

Pesquisadores nos Estados Unidos selecionaram 1.170 americanos com mais de 40 anos para responder a dois questionários em um intervalo de uma década. As perguntas eram sobre a vida sexual, incluindo frequência, satisfação e interesse. Também foi pedido que eles indicassem a idade subjetiva e como se sentiam – positiva ou negativamente – em relação a outras pessoas.

 

A frequência, a qualidade e o interesse pelo sexo, como esperado, diminuíram em dez anos. Para os participantes mais velhos, quanto mais negativa a visão sobre o envelhecimento, menor era a percepção de que o sexo era algo prazeroso. "Sentir-se velho" traduziu-se em menos interesse por sexo. A idade subjetiva e a visão sobre o envelhecimento não impactaram a frequência.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

Victor

30 de março de 2019

Excelente texto, muito interessante a forma com que foi escrito. Para saber um pouco mais de informações sobre sexualidade acesse aqui: https://bit.ly/2u2nnOW