Histórias que provam que nunca é tarde demais para se reinventar

Histórias que provam que nunca é tarde demais para se reinventar

Os exemplos de anônimos e famosos de diferentes idades que saíram da zona de conforto em busca de qualidade de vida

14/11/2017



Até quando é possível mudar de vida? Se depender dessas cinco personagens, a resposta é: sempre que você quiser. Conheça os exemplos de entre anônimos e famosos, de diferentes gerações, que desafiaram a zona de conforto em favor de novos aprendizados e novas experiências. E, como retribuição pela coragem, abriram um novo caminho de oportunidades para as suas vidas.

 

Eleanor Coppola

 

Eleanor Coppola

Esposa de Francis Ford Coppola, a americana Eleanor Coppola pode dizer que teve a experiência de fazer algo novo aos 80 anos. Passou boa parte da vida dividida entre as tarefas de dona de casa e em viagens acompanhando filmagens do marido e da filha, a também diretora Sofia Coppola: “Cresci entre os anos 1940 e 1950 e, nessa época, o papel de uma mulher era oferecer apoio ao marido e assegurar um ambiente residencial confortável. Me sentia frustrada por não ter tempo para perseguir os meus interesses”, afirmou ao site Hollywood Reporter (conteúdo em inglês).

A reinvenção aconteceu quando, em uma viagem para a França, ela teve uma ideia tão forte que só saiu de sua cabeça quando a botou no papel em forma de roteiro. Após quatro anos, Eleanor enfim estreou como diretora de ficção com o longa Paris pode esperar (confira o trailer). Hoje, conta que tem planos para o segundo longa.

 

Crédito da foto: Divulgação/Califórnia Filmes

 

Beatriz Franco

 

Beatriz Franco

Quando a jornalista Beatriz Franco perdeu o emprego, viu-se diante de um dilema: insistir em uma profissão com poucas opções de recolocação no curto prazo ou mudar de rumo? Beatriz ficou no meio-termo. Decidiu fazer uma pausa no jornalismo para trabalhar como atendente na loja de doces de uma amiga em outra cidade. Ela venceu o próprio preconceito e transformou a dificuldade em experiência de vida. O relato registrado em seu perfil no Facebook teve mais de 58 mil compartilhamentos e um tanto mais de leituras e comentários.

A pausa na área de comunicação durou pouco tempo, mas foi fundamental para que ela conseguisse voltar ao mercado de trabalho já em uma nova posição. “Foi tanta energia positiva que as coisas aconteceram, começaram a dar certo. Eu mudei de trabalho, comecei a trabalhar na minha área de novo, voltei para a comunicação, passei a ser colunista, criei meu blog. A minha vida realmente melhorou, como todos disseram e desejaram”, disse em um vídeo publicado na rede social para comemorar um ano da postagem.

 

Crédito da foto: Divulgação

 

Mário Gomes

 

Mário Gomes acostumou-se a estar em destaque na mídia como galã de novelas da Globo. Recentemente, porém, apareceu no noticiário por outro motivo. No início de 2017, aos 64 anos, o ator foi fotografado vendendo lanches em uma praia do Rio de Janeiro. Ao jornal Extra, disse que estava fazendo uma experiência, pois estava se preparando para investir em um food truck. Ao site Ego, afirmou que era uma forma de passar mais tempo com a família e, ao mesmo tempo, trabalhar perto da praia: “Sou hiperativo. Já tive síndrome do pânico e não gosto de ficar parado. Claro que hoje faturo muito menos do que na época em que estava atuando. Mas não preciso de dinheiro”.

 

Mário Gomes já está de volta à TV, mas o conflito de agenda não deu fim à experiência gastronômica. Ao jornal O Globo, o ator afirmou estar desenvolvendo um projeto para “vender o X do Gomes em contêiner. É um plano para o próximo verão”.

 

Valdomiro de Souza

 

Valdomiro de Souza

Quatro anos da vida dedicados ao sonho de cursar Medicina. Até aí, nada incomum para quem tem a pretensão de entrar em uma atividade tão concorrida. Exceto pelo detalhe de que Valdomiro de Souza tem 83 anos. O calouro se formará em 2023, após seis anos de curso. Planeja mais dois anos para concluir especialização em geriatria. E, então, iniciar a carreira médica na faixa dos 90 anos. “Em 2025, aos 91 anos, estarei cuidando e tratando de doenças de velhinhos como eu”, declarou ao jornal O Globo.

Crédito da foto: Gladston Charles / Unifan

 

Pablo Aversa

 

Pressão por resultados. Volume excessivo de trabalho. Motivação em queda. Aos 44, Pablo Aversa havia trilhado uma bem-sucedida carreira como vice-presidente de uma multinacional varejista. É de se imaginar que estava acostumado a driblar obstáculos comuns à vida corporativa. Ou, pelo menos, que tinha muito em jogo para mandar tudo para o alto e se reinventar. Mas recomeçar foi exatamente o que ele fez assim que voltou de uma viagem pela Ásia com os familiares, como contou para o site da revista Exame. Para facilitar a transição, decidiu se inscrever em um curso de coaching. Foram dias tão marcantes que ele resolveu adotar a profissão. Hoje, é um dos coachs mais requisitados por quem também quer fazer uma guinada e repetir o caminho que um dia ele tomou.


Compartilhe:

5 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

Nelson Evaristo Moreira

11 de abril de 2018

Assunto bastante interessante neste momento que estamos atravessando. Como posso obter mais informações.

Viva a Longevidade

04 de junho de 2019

Olá, Nelson, 
Que ótimo que gostou a matéria, para mais conteúdos como esse, você pode assinar a nossa newsletter. 
Att. equipe Viva a Longevidade