Como evitar as doenças mais comuns na velhice

Quem se cuida bem ao longo da vida pode evitar problemas como hipertensão, obesidade e depressão

17/10/2018



Conforme a idade avança, é natural que comecemos a conviver com certas doenças. Algumas fazem parte de um envelhecimento saudável, que na medicina é chamado de senescência. Outras se desenvolvem porque não nos prevenimos durante a vida --e são classificadas como senilidade, explica um artigo publicado em O Globo.

 

"Saúde não é ausência de doença. Doenças crônicas são esperadas na terceira idade. É a forma como se lida com elas que define se o idoso vive uma senescência ou senilidade”, explica o geriatra Carlos Uehara, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 

 

 

Um envelhecimento saudável é o resultado de um cuidado pessoal durante toda a vida. Especialmente a partir dos 40 anos, explica Uehara. A partir dessa idade, ele recomenda fazer um acompanhamento médico com mais frequência, pois a capacidade dos nossos órgãos começa a diminuir.

 

Hoje, sete em cada dez idosos sofrem com pelo menos uma doença crônica no Brasil, segundo o Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros. A mais comum é a hipertensão, seguida por dores na coluna, artrite, depressão e diabetes.

 

Se antes a maior parte das doenças eram as agudas e infecciosas, como pneumonia e catapora, hoje prevalecem mais as crônicas não transmissíveis, segundo Uehara. As doenças crônicas podem ser evitadas, basicamente, com a combinação de uma alimentação balanceada e de prática de exercícios.

 

“Exercício físico não é necessariamente ir para a academia e fazer musculação. Quando falamos de atividades físicas, nos referimos a movimentar o corpo. Ou seja, preferir escadas em vez de elevador ou escadas rolantes, saltar um ponto antes no ônibus para estender a caminhada, por exemplo”, diz o geriatra.

 

Para prevenir a hipertensão, a dica é controlar o consumo de sódio e evitar o sedentarismo. Para não desenvolver diabetes, é preciso prestar atenção à ingestão excessiva de carboidratos e, claro, fazer exercícios. Substituir carne vermelha, que tem muita gordura, por peixe, frango ou porco diminui, também, o risco de infarto, a principal causa de mortalidade e incapacidade na velhice, junto com o derrame.

 

Cultivar uma vida social rica também faz bem à saúde, e evita a depressão na velhice. As dores no corpo tendem a fazer com que muitos idosos se isolem do convívio social e se sintam deprimidos também por isso. “Isso deve ser combatido. Manter-se em movimento tanto fisicamente quanto socialmente é importante”, reforça Uehara.


Compartilhe:

1 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação

Comentários recentes:

claudofredo ap almeida

29 de novembro de 2018

Quero receber algo que me informe sobre envelhecer bem.