Como não deixar o estresse afetar sua saúde durante a pandemia

Se não forem controladas, sobrecargas físicas e emocionais podem prejudicar até as defesas do corpo

08/06/2020



A pandemia da Covid-19 mudou radicalmente o dia a dia de muita gente. Com a quarentena, surgiram novas preocupações: o medo de pegar a doença, a adaptação ao trabalho em casa, como conciliar filhos e trabalho — tudo isso sem poder sair para curtir as atividades de lazer que antes funcionavam também como uma válvula de escape.

 

Será que essa nova rotina está aumentando nossos níveis de estresse? O Viva a Longevidade convocou três especialistas no tema para explicar como o nosso corpo reage a esse aumento de tensão, e o que podemos fazer para não prejudicar a nossa saúde.

 

 

A princípio, o estresse não é negativo, e sim uma resposta biológica que ajuda o organismo a se defender em uma situação de desafio ou de ameaça física ou emocional, explica o endocrinologista Madson Queiroz de Almeida, presidente do Departamento de Adrenal e Hipertensão da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia).

 

Assim que o cérebro sente que está em perigo, manda um alerta para as glândulas suprarrenais produzirem e liberarem dois hormônios — o cortisol e a adrenalina — que preparam o corpo para “lutar ou fugir”.

 

“Se a ameaça for uma infecção, o sistema imunológico é ativado”, afirma Almeida. Mas, depois que o perigo passa, tudo volta ao normal. “Essa liberação de hormônios não se mantém ao longo do tempo, e não há efeito cumulativo”, esclarece.

 

O ciclo de vida do estresse no nosso corpo

 

 

O que pode prejudicar a saúde não é essa fase aguda do estresse. O problema começa quando não conseguimos nos livrar do que, segundo o cérebro, está nos ameaçando — como a preocupação com o novo coronavírus ou uma dificuldade persistente no trabalho.

 

“O corpo, então, tenta lidar com a situação de outra maneira e entra em uma fase de resistência para se adaptar a esse cenário”, explica o psicólogo Rafael Trevizolli Neves, diretor-executivo do Departamento de Psicologia da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo).

 

Focado na autopreservação, o organismo reforça o alerta. Nessa adaptação, surgem problemas como tensão muscular e na coluna, dificuldade para dormir, disfunções nos sistemas imunológico e digestivo, perda do apetite e da libido, irritação excessiva, dificuldade de memória, cansaço e dor de cabeça.

 

“É o chamado estresse crônico”, resume o médico e psicólogo Roberto Debski. “Se esse quadro não for tratado adequadamente e a tempo, pode continuar evoluindo até chegar à fase de exaustão, na qual os mecanismos de adaptação falham devido à grande sobrecarga física ou emocional.”

 

A fase de exaustão pode levar a doenças mais graves, como hipertensão arterial, diabetes, depressão e ansiedade. “Não é o estresse que causa diretamente essas doenças”, reforça Debski.



“Quando nosso organismo se sobrecarrega demais, sua capacidade de se adaptar às situações e manter o equilíbrio e a saúde se reduz, por isso podemos adoecer.”

Roberto Debski.

O que você pode fazer para não se estressar (tanto)

Durante a pandemia, portanto, é importante fazer uma pausa todo dia para checar como você está se sentindo. “A mudança de rotina, a convivência 24 horas com as mesmas pessoas em casa e o medo de pegar a doença não causam só estresse. É uma situação que pode desencadear também problemas de saúde mental, como a ansiedade, que ameaçam o nosso bem-estar”, afirma Almeida.

 

Quando nos sentimos estressados, podemos contrabalançar a elevação dos níveis de cortisol e adrenalina, ativando a produção dos hormônios de bem-estar (como a serotonina e a endorfina) para reequilibrar o organismo, recomenda o endocrinologista.

 

Isso significa fazer mais coisas prazerosas e, claro, praticar exercícios físicos.

 

Os especialistas recomendam mais algumas técnicas para gerenciar o estresse:

ícone paz

 

Identifique as situações estressantes que você não pode controlar e pense em uma maneira mais positiva de reagir a elas (como não brigar com quem não lavou a louça que está na pia). 

ícone

 

Crie uma estratégia para lidar com as situações estressantes que você pode controlar, como ler notícias sobre o coronavírus — uma ideia é definir um horário para se atualizar sobre o que está acontecendo.

ìcone exercício

 

Pratique exercícios físicos regularmente para estimular a produção de mais endorfina e serotonina, pois essas substâncias aumentam o bem-estar.

ícone espelho

 

Assuma uma visão mais responsável sobre sua vida, para enfrentar e resolver seus problemas, em vez de sempre culpar os outros.

ícone hobby

 

Dedique-se a um hobby ou atividade de lazer que traga prazer e relaxamento.

ícone respiração

 

Aprenda exercícios de controle da respiração, para se acalmar em momentos estressantes (como este aqui).

icone meditação

 

Dedique alguns minutos do dia à meditação ou a práticas de mindfulness (a gente ensina um exercício bacana aqui).

ícone risada

 

Dê mais risada, pois isso ajuda a reequilibrar os níveis de hormônios de estresse.


Compartilhe:

0 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação