Duas amigas e uma viagem de moto contra o câncer de mama

Juntas, elas percorreram 30 mil quilômetros entre o Brasil e os Estados Unidos para celebrar a vida

26/10/2018



A paixão por pilotar motos foi o ponto de partida da amizade entre as xarás Ana Pimenta, 52 anos, e Ana Sofia de Oliveira, 48. Fãs de motocicletas desde a adolescência, elas se conheceram quando a gaúcha Ana Sofia foi a São Paulo comprar uma Harley-Davidson, a icônica montadora de motocicletas, para sua mãe na concessionária onde Ana Pimenta trabalhava com o marido.

 

A partir dessa conversa, elas viraram amigas e passaram a encarar a distância entre o Rio de Janeiro — onde Ana Sofia foi morar — e São Paulo para rodar juntas. Tanto que decidiram até mesmo abrir um negócio em dupla: uma agência que organiza viagens de moto em grupo em diversas partes do mundo como a Rota 66, nos Estados Unidos e no deserto do Atacama, no Chile.

 

“Não havia maneira melhor de celebrar a vida e passar a mensagem que eu continuo inteira”

Ana Sofia

Ao longo dos anos e das viagens, as duas Anas foram cultivando o desejo de fazer uma aventura juntas, uma viagem de meses estrada afora. Até que, em 2017, uma forte motivação bateu à porta. “Em 2018, se completam dez anos desde que eu terminei meu tratamento contra o câncer de mama”, conta Ana Sofia. “Achei que não tinha uma maneira melhor de celebrar a vida e passar essa mensagem de que eu continuo inteira mesmo depois dessa experiência porque, quando o diagnóstico vem cedo, a gente pode se curar.”

A viagem

Foi aí que elas resolveram, enfim, realizar o sonho de fazer uma expedição e aproveitar essa oportunidade para aumentar a conscientização sobre o câncer de mama e, de quebra, participar da festa de 115 anos da Harley-Davidson nos Estados Unidos.

 

Juntas, elas planejaram durante um ano uma viagem de 115 dias — e 30 mil quilômetros — entre o Brasil e os Estados Unidos, de Porto Alegre até Chicago, parando para comemorar o aniversário da montadora em Milwaukee. A Bradesco Seguros foi uma das patrocinadoras da aventura.

 

No caminho, elas visitaram 115 concessionárias da marca e distribuíram muitas pulseirinhas de conscientização sobre o câncer de mama. “O melhor da viagem foi o contato com as pessoas, ver tanta gente diferente se abrindo com a gente. Foi um trabalho de formiguinha, mas muito bom”, recorda Ana Pimenta. Ela conta que puxar conversa não era difícil, porque todo mundo ficava muito curioso de ver duas mulheres desembarcando de motos. “Fomos bem recebidas em todos os lugares em que passamos.”

 

 

Sempre tirar o melhor

 

Da época do tratamento contra o câncer, Ana Sofia trouxe uma lição: sempre tirar o melhor das situações que a vida nos traz, mesmo nas adversidades — uma filosofia que elas colocaram em prática nesse tempo na estrada. Logo no começo da viagem, quando estavam em Curitiba, elas toparam com a greve dos caminhoneiros. “Como as estradas estavam bloqueadas, paramos por um dia e acordamos de madrugada para sair antes deles. Quando chegamos a São Paulo, tivemos de comprar gasolina das pessoas para seguir em frente”, lembra Ana Pimenta.

 

Elas também lembram de um dia em especial, em Nevada, nos Estados Unidos, em que tudo parecia dar errado. “O vento estava muito forte, todo mundo nos aconselhou a parar. Paramos em uma cidade que só tinha dois restaurantes que fechavam cedo e um único motorista de Uber, um senhor de 70 anos que só trabalhava quando queria”, diverte-se Ana Pimenta.

 

No final, elas conseguiram convencer o veterano motorista a levá-las a um dos restaurantes. Quando chegaram lá se encantaram com o clima de intimidade: as pessoas todas se conheciam e se cumprimentavam pelo nome, as garçonetes, já senhoras, sentavam às mesas para conversar. “Encontramos um clima muito legal, fomos super bem tratadas e a noite foi ótima”, diz Ana Pimenta.

/ Ana Sofia (esquerda) e Ana Pimenta percorreram mais de 30 mil km de moto (Crédito: The Ride 115)
/ A expedição encontrou alguns contratempos no trajeto, como a dificuldade de abastecer durante a greve dos caminhoneiros (Crédito: Johanes Duarte)
/ As motoqueiras dão passagem para uma cavalgada durante o trecho realizado no Brasil (Crédito: Johanes Duarte)
/ As motoqueiras visitaram o Mercado Ver-o-Peso, em Belém (PA) (Crédito: Johanes Duarte)
/ Ana Pimenta (esquerda) e Ana Sofia com suas motos nos Estados Unidos (Crédito: The Ride 115)
/ Ana Pimenta (primeiro plano) e Ana Sofia na estrada (Crédito: The Ride 115)
/ As motoqueiras nos Estados Unidos (Crédito: The Ride 115)
/ Ana Sofia (esquerda) e Ana Pimenta em uma parada na Rota 66 (Crédito: The Ride 115)
/ Ana Sofia e Ana Pimenta comemoram o aniversário de 115 anos da Harley-Davidson em Milwaukee (Crédito: Rafael Scucato)

A expedição trouxe muitas outras boas lembranças no caminho. Ana Sofia conta que ficou particularmente encantada com a “natureza exuberante” que encontrou pelo Brasil. “Estar na estrada sempre é muito bom. Vi paisagens maravilhosas, fiquei ainda mais apaixonada pelo país. Nos Estados Unidos a natureza foi mais agressiva, pegamos vento forte e furacão e tivemos que parar várias vezes por causa disso. Na Califórnia, pegamos um incêndio que também nos fez parar, não dava para respirar de tanta fuligem”, conta.

 

Na reta final, elas encontraram muita festa na concessionária número 115 do trajeto. “Nas outras concessionárias, a gente chegava de surpresa, mas nessa o pessoal já estava esperando a gente. Fizeram a maior festa”, conta Ana Sofia. Ela também se emocionou ao participar do desfile de aniversário da Harley-Davidson empunhando a bandeira que havia sido assinada por funcionários das 115 lojas que elas visitaram durante o percurso.

 

 

Mas a comemoração mesmo veio quando as duas reencontraram a família, em Chicago, no final da viagem. Além de matar a saudade, elas puderam dividir a alegria pela realização do sonho. “Eles nos deram todo o apoio durante a preparação, a gente precisava comemorar, né?”, diz Ana Sofia.

 

O fim da viagem, porém, não significa o final da história dessas duas aventureiras. “A viagem é bem puxada, passávamos o dia inteiro na moto, mas quando chegamos ao final, em Milwaukee, deu aquela deprê de perceber que estava acabando. Foi tão legal, tão renovador, que a gente queria voltar e começar tudo de novo”, conta Ana Pimenta. “Já estou pronta para outra!”, responde rápido Ana Sofia.

 

Veja como tudo começou no vídeo abaixo

 


Compartilhe:

0 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação