Levar uma vida saudável reduz o risco de câncer de próstata

Cuidar da dieta, fazer exercícios e fugir da poluição são ações tão importantes quanto fazer os exames preventivos.

01/11/2019



Ao longo de sua vida, um em cada nove homens deve receber o diagnóstico de câncer de próstata, o segundo mais comum entre a população masculina, segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer).

 

E o mais provável é que isso aconteça na velhice: no Brasil, 90% dos casos ocorrem a partir dos 55 anos; no mundo, 75% são registrados após os 65 anos.

 

Alguns fatores que predispõem os homens a desenvolver a doença são genéticos, como ser filho ou irmão de quem teve esse tumor antes dos 60 anos, o que dobra o risco de ser diagnosticado com câncer de próstata.

66 anos
É a idade média em que o câncer de próstata é diagnosticado.


Tipo de câncer que mais afeta homens brasileiros (depois do câncer de pele não melanoma).

68.220
Estimativa de novos casos da doença no Brasil em 2018.

Fonte: Instituto Nacional do Câncer

 

 

Outros são sociais: as estatísticas mostram que a mortalidade devido a esse tipo de tumor é 2,5 vezes maior em homens negros do que em brancos.

 

Neste ano, um estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que isso acontece em razão do menor acesso dos negros ao sistema de saúde, o que leva a um diagnóstico tardio, aumentando o risco de morte.

 

Por isso, o ideal é começar a fazer os exames preventivos a partir dos 50 anos – ou a partir dos 45, quando há fatores de risco, como o genético.

 

Nessa faixa etária, a recomendação da Sociedade Brasileira de Urologia é ir uma vez por ano ao urologista, que vai realizar o exame de toque retal e pedir o PSA (exame de sangue para medir a quantidade dessa proteína no organismo).

 

“Isso permite um diagnóstico precoce, o que aumenta as chances de sucesso no tratamento”, afirma o médico urologista Francisco Kanasiro, diretor da Sociedade Brasileira de Urologia em São Paulo.

 

Mas, até chegar a essa idade, cuidar bem do corpo é outro fator importante para reduzir o risco de desenvolver a doença — especialmente da alimentação, uma vez que a obesidade aumenta as chances de ter um tumor mais agressivo.

 

“Fazer exercícios e ter uma alimentação saudável, rica em vegetais e com menos carne vermelha e gordura, reduz o risco de desenvolver não só esse, mas também outros tumores”, afirma Kanasiro.

 

Outro especialista na área, o médico urologista Giovanni Scala Marchini, reforça que, por enquanto, a maior parte dos estudos feitos sobre a relação entre a dieta e o câncer de próstata não indica que uma alimentação saudável previna o tumor. “São, em sua maioria, apenas estudos de associação entre doenças”, explica.

 

 

“Isso não significa que podemos fazer de tudo. Muito pelo contrário: em homens com risco aumentado de ter esse tumor, existe a recomendação médica para que façam escolhas que beneficiem a sua saúde no geral, se estiverem interessados ​​na prevenção do câncer de próstata.”

 

Prestar atenção aos fatores que podem aumentar o risco de câncer de próstata é, também, um caminho para envelhecer com mais qualidade de vida.

 

Afinal, adotar hábitos mais saudáveis ajuda a prevenir outras doenças crônicas que os homens costumam desenvolver, como diabetes, hipertensão e dislipidemia (colesterol alto), além de outros tumores, como o colorretal, o quarto mais registrado na população masculina.

 

Algumas das dicas de Marchini são reduzir o consumo de gorduras, aumentar o de frutas e vegetais, e fazer exercícios.

 

"Estudos mostraram, principalmente, que homens que se exercitam podem ter um risco reduzido de câncer de próstata”, comenta. “O exercício tem muitos outros benefícios para a saúde e pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e outros tipos de câncer.”

 

Veja, no quadro abaixo, as outras atitudes que você pode tomar desde já, para reduzir o risco de desenvolver o câncer de próstata e outras doenças crônicas comuns aos brasileiros.

 


Compartilhe:

0 Comentários:

Comentário enviado
para aprovação