7 mitos e estereótipos sobre os trabalhadores maduros

Estive no SXSW e lá conheci a história de Chip Conley, um profissional que, após os 50 anos, ajudou a tirar do papel a startup que transformou o mundo da hospedagem

01/07/2019 - por Mara Luquet



Nunca tinha ouvido falar de Chip Conley até ir, no último mês de março, ao SXSW, o maior festival de inovação do mundo, que acontece anualmente nos Estados Unidos. Conley falou para uma plateia de jovens – alguns nem tão jovens assim – interessados nesse admirável mundo novo da tecnologia e inovação.

 

Ele faz parte do conselho do Airbnb, a startup dos gênios da tecnologia que transformou o mundo da hospedagem. Mas ao contrário dos seus fundadores, Conley já tinha passado dos 50 quando se juntou ao grupo.

 

 

 

Foi Brian Chesky, cofundador e CEO do Airbnb, que o descobriu. Quando encontrou Conley pela primeira vez, em 2013, Chesky procurava um profissional que trouxesse para a empresa uma experiência que ajudasse o Airbnb a ser mais acolhedor com seus “hóspedes” e transformasse a experiência de se hospedar durante as viagens. “Fiz o que sempre faço quando estou à procura de um profissional, quero conhecer o melhor deles”, conta Chesky no prefácio do livro de Conley.

 

Chip Conley tinha uma carreira de mais de 30 anos na rede de hotéis-butique Joie de Vivre e tinha acabado de se “aposentar”, depois de vender a rede que ele havia criado.

 

A sua história é inspiradora, divertida e cheia de aprendizados que trouxemos na bagagem de volta para casa. Mas o maior deles é que os profissionais 50+ são, hoje, verdadeiras pérolas para empresas, e podem agregar muito conhecimento, produtividade e inovação que vão fazer a diferença no desempenho da companhia.

 

Em seu livro “Wisdom@Work: The Making of a Modern Elder”, ele lista alguns mitos e estereótipos em relação aos profissionais maduros:

 

Baixo desempenho e pouco engajamento

Muitas pesquisas mostram que esta é uma afirmação falsa, por duas razões: não há declínio da performance no trabalho com a idade, e há mais variações nas performances entre empregados com diferentes habilidades ou saúde do que por conta da idade.

 

Uma pesquisa da AON Hewitt e Gallup mostra que empregados com 55 anos ou mais são mais motivados e engajados do que os mais jovens.

 

Resistente a mudanças

Um trabalho de autoria dos pesquisadores Posthuma e Campion não encontrou nenhuma evidência nesse sentido. E um estudo de Zenger e Folkman mostra que trabalhadores mais velhos são mais confiantes e mais abertos a feedbacks.

 

Baixa capacidade de aprendizado

Algumas pesquisas mostram que os trabalhadores mais velhos absorvem novas informações de forma mais lenta do que os mais jovens, porque já têm um vasto estoque de conhecimento. No entanto, segundo essas pesquisas, embora sejam um pouco mais devagar na absorção do novo conhecimento, eles são mais ágeis nas análises e soluções de problemas.

 

Pouca longevidade no trabalho

Segundo esta tese, problemas de saúde ou mesmo a decisão de aposentadoria fazem com que o investimento nesses trabalhadores mais velhos tenha pouco aproveitamento e curta duração. Uma pesquisa da AON Hewitt mostrou que cerca de 50% dos jovens empregados consideram outras ofertas para mudança de emprego ou estão à procura de novos trabalhos. Já entre os trabalhadores acima de 50 anos de idade, menos de três em cada dez trabalhadores consideram trocar de emprego.

 

Custo maior

Não há nenhum trabalho que confirme esta percepção. Mas as evidências são que os salários mais altos de alguns trabalhadores estão mais relacionados à sua capacidade e à produtividade, do que à idade.

 

Menos confiante

As pesquisas mostram que tanto os mais jovens quanto os mais velhos demonstram a disposição para confiança, mas os trabalhadores mais velhos são mais capazes de regular as suas emoções.

 

Menos saudáveis

Outra afirmação falsa. Tanto jovens como mais velhos são igualmente saudáveis quando se trata do trabalho. E, na verdade, os mais velhos se ausentam menos por problemas de saúde do que os mais jovens.

0 Perguntas:

Pergunta enviada
para aprovação


Compartilhe: