Aos mestres, com carinho

Aos mestres, com carinho

Buscar a sabedoria de quem nos ilumina pelo pensamento e pelo exemplo é receita certeira para uma vida mais plena

20/11/2019 - por Márcia Peltier



Semana passada, fui a um concerto lindo e, envolvida pela música dos violinos, me vi hipnotizada pelos gestos elegantes e precisos do regente, o maestro Isaac Karabtchevsky. E me peguei pensando no termo “maestro”, que em italiano significa mestre.

 

Bom, no dicionário, além de professor, “mestre” está definido como “pessoa de excepcional saber em ciência e arte”. Sim: na verdade, aquele que sabe muito sempre ensina, seja pela atividade como professor, seja pelo exemplo.

 

 

Tive e tenho muitos mestres. Um deles é o fantástico indiano Paramahansa Yogananda (1893-1952), que trouxe os princípios da ioga para o Ocidente e que deixou um livro importantíssimo: A Autobiografia de um Iogue.

 

Basta dizer que suas ideias alcançaram a academia - em grandes universidades, como Harvard, se estuda seu pensamento - e atingiram um leque imenso de pessoas.

 

Uma delas foi Steve Jobs, que deixou ordens de entregar um exemplar do livro a 15 amigos quando faleceu. Tenho profundo respeito e amor por esse grande guru.

 

A sabedoria dos mestres pode trazer novo sabor ao cotidiano e profundidade à vida

Acredito que a renovação do conhecimento, os interesses ampliados, ideias, conceitos, vivências são o que trazem sabor ao nosso cotidiano e profundidade à vida.

 

Os ensinamentos desses mestres do bem nos mantêm conectados com o mundo, transformando cada um de nós e nosso entorno. E a sabedoria dos que vieram antes e puderam se aprofundar em seus campos tem um valor inestimável.

A cultura de civilizações como a indiana, e as orientais como a japonesa e a chinesa alimenta um imenso e profundo respeito pelos seu idosos e ancestrais. Eles sabem de uma verdade simples: não há futuro sem o passado.

 

Um vislumbre desse respeito pode ser visto nos ritos de artes marciais. Um deles é o tai chi chuan, prática de beleza imensa, que parece um balé.

 

Fico hipnotizada vendo grupos em movimentos suaves, numa coreografia de força física e espiritual.

 

“Decidi fazer uma reverência aos mestres”

Ana Magdalena Horta

Uma jornalista carioca, aliás, apaixonada por tai chi chuan e todo o mundo de ideias orientais criou o canal e o blog O Segredo dos Mestres, cujo lema é: “o que podemos aprender para transformar nossas vidas”.

 

Ana Magdalena Horta conta que o respeito ao conhecimento a motivou: “Hoje, parece que não se valoriza a preservação de ideias e da sabedoria, na pressa e no cotidiano descartável. Decidi fazer uma reverência aos mestres em geral e, em particular, à sabedoria chinesa”.

 

Ana Magdalena virou discípula de um grande mestre do tai chi e avisa no blog: “faço sugestões para melhorar o corpo, a mente, a saúde, a relação com o mundo. Coisas, pequenas às vezes, que podem fazer a diferença”.

 

Claro, há mestres do lado da escuridão. Mas o que buscamos é a luz dos grandes ensinamentos do bem e da evolução de corpo, mente e espírito.

 

Cada um pode buscar seu mestre, um mestre que ajude a descobrir nossa própria luz. Na arte, no intelecto, na compaixão, na superação.

 

Como disse Lao Tzu, cujo nome quer dizer em chinês “velho mestre”:



“Conhecer os outros é inteligência, mas conhecer a si mesmo é a verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, mas dominar a si mesmo é o verdadeiro poder”.

0 Perguntas:

Pergunta enviada
para aprovação


Compartilhe: